Mensagens do Dia

  • 1
  • 2
  • 3

Somos mais que vencedores

Somos mais que vencedores

        "Mas em todas essas coisas, somos mais que vencedores pela virtude... Leia mais

Por que tanta insatisfação?

Por que tanta insatisfação?

      As razões podem ser muitíssimas, entretanto, existe uma possibilidad... Leia mais

É preciso perder para ganhar o céu

É preciso perder para ganhar o céu

      “Do amor desordenado e do vão temor nascem todo desassossego do cora... Leia mais



Caros Irmãos e irmãs

Através da palavra de Deus, que ressoou nesta noite de oração e neste recinto sagrado, faremos agora uma outra viagem espiritual, mais longa do que a procissão que realizámos guiados por Maria. Três são as cidades do Espírito onde juntos vamos parar: ali escutaremos três diferentes vozes, todas porém assinaladas pela mesma mensagem.

A primeira cidade debruça-se sobre o Mediterrâneo ao longo da costa da Terra Santa: é Cesarcia marítima, a cede do governador imperial da Palestina no tempo de Jesus. Entramos num dos palácios, na residência de um oficial romano, o centurião Cornélio. Ele é o primeiro pagão que entrará na nova fé Cristã. Diante dele apresenta-se S. Pedro que está para batizar aquele soldado de bom coração e justo bem como a sua família. As palavras do Apóstolo são simples e essenciais mas abrem um horizonte que hoje se alarga até nós, vindos de povos e nações diferentes: “Deus não faz acepção de pessoas, mas, em qualquer nação, aquele que O teme e pratica a justiça é-lhe agradável.” (Atos 10, 34-35)

O olhar amoroso de Deus estende-se sobre todas as criaturas porque, como se lê no livro da sabedoria, “Tu, Senhor, amas tudo quanto existe e não detestas nada do que fizeste... Tu és indulgente com todos, porque todos são teus, ó Senhor, amante da vida!” (11, 24.26). Então, na casa daquele centurião, numa cidade elegante e mundana, sopra o vento do Espírito Santo: de facto, “Espírito desceu sobre todos os que estavam a ouvir a palavra” (Atos 10, 44). É o “Pentecostes dos pagãos” que abate “o muro de separação que os dividia” dos hebreus, como acontecia no templo de Jerusalém e como recordava o apóstolo Paulo escrevendo aos cristãos de Éfeso (2, 14). Com Cristo, portanto, “não há mais Grego ou Judeu, circunciso ou incircunciso, bárbaro ou cita, escravo ou livre, o que há é Cristo, que é tudo e está em todos” (Col. 4, 11). A nossa viagem conduz-nos, agora, à segunda cidade: talvez seja mesmo a esplêndida Éfeso onde Paulo tinha vivido momentos árduos da sua missão apostólica. A voz que agora ressoa é a de um outro apóstolo, João, no fragmento da sua admirável primeira carta proposto pela liturgia deste Domingo pascal, em Éfeso e nas outra fascinantes cidades, que constelavam a costa Mediterrânica da atual Turquia, tinha feito resplandecer o verdadeiro rosto de Deus naquela inesquecível definição que acabou de ser proclamada: “Deus é agápe, amor.”.

É um amor que irradia penetrando também nos caminhos obscuros da história, no subsolo do mal e do vicio, no espaço do desespero e do ódio. É um amor que se manifestou em Cristo, o Filho, que atravessou aquele mundo tenebroso de morte “para que tivesse-mos a vida por meio dele”, como diz S. João. E porque Deus é amor, também nós amêmo-nos uns aos outros, superando distâncias e diversidades, como faremos daqui a pouco  quando nos saudarmos no abraço da paz. Como ele, entremos no horizonte gélido e sombrio do sofrimento dos nossos irmãos e das nossas irmãs, para aí acender a luz e o calor do amor que conforta e salva.

E eis-nos chegados à última etapa, à cidade Santa Jerusalém. Subamos ao “andar superior” de uma casa, entremos numa “grande sala, preparada, já pronta” (Marcos 14, 15). Estamos no Cenáculo. É a última noite da vida terrena de Jesus. Ele está a falar longamente com os discípulos durante a sua última ceia, a primeira da Eucaristia. Também nos seus lábios ressoa repetidamente a palavra “amor”  que nos acompanhou já em Cesareia e em Éfeso, mas agora brilha de uma forma total e absoluta.

Deixêmo-la ecoar no nosso coração, enquanto somos envolvidos no silêncio desta noite. Connosco a escutar estas palavras está Maria, a estrela que preanuncia a Aurora depois das horas noturnas do mal, do medo e da dor. Como recordava Lúcia nas suas memórias, a Senhora de Fátima “difunde luz mais clara e intensa do que um copo de cristal, pleno de água cristalina, através dos raios do sol mais ardente.” É ela que nos convida a acender a pequena vela do amor, em vez de pararmos a maldizer a noite do mal e do ódio que invade o mundo. Jesus fala-nos agora e repete: “Como o Pai me amou, também eu vos amei. Permanecei no meu amor... é este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos... O que vos mando é que vos ameis uns aos outros.” (João 15, 9. 12-12.17)

 

Card. Gianfranco Ravasi

Noticias Canção Nova

  • 1
  • 2
  • 3

Setúbal: Bispo dedica ano pastoral a Maria e ao aniversário da diocese

Setúbal: Bispo dedica ano pastoral a Maria e ao aniversário da diocese

Ano pastoral começa com peregrinação a Fátima O bispo de Setúbal divulgou a mensagem para o próximo ano pastoral com o lema “Igreja de Setúbal, com Maria, alegra-te e evangeliza”, dia do 39.º aniversário da edificação da diocese. “No dia 16 de julho de 2015 ocorre o quadragésimo ano da criação da nossa diocese e a 26 de outubro o aniversário da ordenação e da tomada de posse do seu primeiro bispo, o senhor D. Manuel Martins”, relembrou D. Gilberto Canavarro dos Reis na mensagem que env... Leia mais

Setúbal: D. Manuel Martins lançou nova edição dos «Pregões de Esperança»

Setúbal: D. Manuel Martins lançou nova edição dos «Pregões de Esperança»

Bispo emérito acredita que vão chegar «dias melhores» O bispo emérito de Setúbal, D. Manuel Martins, apresentou esta quarta-feira uma reedição do livro “Pregões de Esperança”, obra dedicada à reflexão que o prelado realizou à volta da temática social. Em declarações à Agência ECCLESIA, no salão nobre dos Paços do Concelho de Setúbal, D. Manuel Martins reconheceu que, na base desta nova edição, revista e aumentada, esteve o “objetivo de elevar a alma, o ânimo do país”, num tempo marcado... Leia mais

Bispo do Porto deseja canonização do «Pai Américo»

Bispo do Porto deseja canonização do «Pai Américo»

Fundador da Casa do Gaiato será para «sempre cidadão do Porto e modelo da alma cristã e solidária» da cidade. O bispo do Porto pediu, este sábado, aos cristãos que rezassem para que a “beatificação e canonização” do padre Américo seja uma realidade. No simpósio sobre «Padre Américo - Modelo de Caridade para os nossos dias» para celebrar o aniversário da Obra da Rua, D. António Francisco dos Santos sublinhou na homilia da celebração que o Padre Américo “partiu cedo demais” e não se sa... Leia mais

Em Destaque

Acompanhe toda a cobertura >>Clique Aqui<<

Destaque - Blog Benfeitor

“Eis-me aqui” (Is 6,8)

Fomos criados pelo Teu Amor para que resplandeça a beleza alegria e a paz, reflexo de Deus e do seu amor. “O sacramento do Matrimónio conduz-nos ao coração do desígnio de Deus. Deu... Leia mais

Missa do Clube da Evangelização, Sexta dia 04 de Março de 2014 às 21h

“A Eucaristia é a fonte e ápice de toda a vida Cristã. Os demais sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos e tarefas apostólicas, ligam-se à Sagrada Eucaristia ord... Leia mais

Destaque - Blog Livraria

Destaque - Blog Eventos

Subscrever Newsletter




Calendário de Eventos

Pe. Jorge Guarda-Sementes do Evangelho

CREIO EM DEUS AMOR

CREIO EM DEUS AMOR

  O símbolo da fé cristã começa por afirmar “creio em Deus, Pai todo-poderoso…”. Creio… é a resposta do homem a Deus, que se lh... Leia mais

Formação - Canção Nova

  • 0
  • 1
prev
next

Um amigo antecipa o céu

News image

Um amigo leva a gente pra longe mesmo quando a g... Leia Mais

Quando Jesus voltará?

News image

A volta de Jesus é um evento que temos a nossa f... Leia Mais